Livro - Jim Morrison: o poeta-xamã

Livro - Jim Morrison: o poeta-xamã
Clique na foto

O Navio de Cristal

O Navio de Cristal
Clike na foto

O dia em que conheci Jim Morrison

O dia em que conheci Jim Morrison
Clique na Foto

sábado, 10 de maio de 2008

PELICULA DE STONE FICA MUITO AQUÉM DE JAMES DOUGLAS MORRISON



(...)São nessas viagens lisérgicas, no entanto, que o filme se perde. As imagens assumem aspecto psicodélico com o som de poemas ao fundo, declamados pelo narrador. A película de 140 minutos seria mais bem aproveitada se momentos longos como esses ficassem restritos à sala de edição. O grande problema do filme, porém, é a visão superficial que faz dos personagens. O mundo de Jim carece de profundidade. A relação dele com os pais – ele mentia dizendo que estavam mortos – é levemente sugerida. O roteiro, inconsistente, não nos ajuda a compreender a perso-nalidade mutável e violenta do cantor. Morrison exalta a morte, desejando-a. Mas por quê? O que o levou a ser assim?

A resposta pode surgir depois, quando o espectador curioso vai buscar informações extras. A questão é que o roteiro trata os personagens de forma caricatural sem retomar conceitos que o próprio script propõe, como a questão dos mitos. Jim é constantemente levado a acreditar – por fãs, empresários e pelas circunstâncias – que ele é a banda, que sem ele os Doors não seriam nada nem venderiam discos. Nas capas dos álbuns, ele é o rosto do grupo. Ego e vaidade não explorados pelo filme. “Somos nós quem criamos o mito, Jim”, alguém fala no meio da projeção.

Entre uma tragada de whisky e outra, Jim Morrison surge como o sujeito que fala, grita, berra a uma sociedade de conformados: “Vocês são escravos!”. A mudança de personalidade dele do início ao fim da carreira é meramente pincelada. No entanto, a falta de conteúdo é preenchida por música.

Praticamente todas as seqüências são ilustradas por canções. As falhas, porém, não desmerecem a atuação central. Val Kilmer dá vida a Morrison. É dos mais bem sucedidos exemplos de atores interpretando uma personalidade. Aparências físicas e atitudes extravagantes, olhar vago e o jeito de cantar e se movimentar no palco; a coleção de gestos. As escolhas de Kilmer não poderiam ser melhores. Jim está vivo, ainda que o roteiro e a direção deixem a desejar. “Come on, baby, and light my fire!


Reporter: Pedro Santos
Revista: Ponto e Virgula.
www.revistapontoevirgula.com/Arquivo/Agosto2007.pdf

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Bem-vindo a este blog. Agradecemos muito a sua visita!

Seguidores

popular posts

Contato

jamesdouglasmorrisonp@gmail.com
Loading...