Livro - Jim Morrison: o poeta-xamã

Livro - Jim Morrison: o poeta-xamã
Clique na foto

O Navio de Cristal

O Navio de Cristal
Clike na foto

O dia em que conheci Jim Morrison

O dia em que conheci Jim Morrison
Clique na Foto

sábado, 10 de maio de 2008

Jim Morrison: interpretação experimental e cultura



Ao ler um livro com a biografia, entrevistas, poemas e letras de musicas de Jim Morrison eu buscava a história de um ícone do rock que tanto gosto, a exemplo de Eric Clapton, Bruce Springesteen, David Gilmour entre outros. Filho de militar da marinha americana, Morrison foi o vocalista e autor damaior parte das letras da banda rock norte-americana The Doors e acabou tragicamente aos 27 anos. Como tantos outros morreu se imolando por viver o mal estar de uma geração que sofreu com a guerra do Vietnã e a onda da reação e do conservadorismo cultural dos anos 70, que reprimiu a liberdade de expressão e acabou com a democracia. Para implantar um modelo econômicode concentração da riqueza, tirando de circulação o melhor do quetínhamos, o que nos faz viver este momento de desqualificação política, cultural e de exclusão social aqui e no mundo.

Jovem foi para escola, quando elas tinham os melhores professores, lá em e todos os lugares do mundo, pois não haviam ainda sido afastados pelo arbítrio macartista. Jim Morrison, estudou cinema, na Califórnia, tendoJean Renoir como professor e Francis Ford Coppola, como colega, que depois o homenageou em Apocalipse Now, quando no início do filme toca The End. Devorador de livros tornou-se leitor inveterado, explorando os beats, Kerouac, Ginsberg, Blake, Baudelaire, Rimbaud, Nietzsche entre outros. Inspirou-se no teatro de Artaud, que o levou a incorporar a interpretação experimental em seus shows e o ritual do xamanismo. Escreveu “Viajantes na Tormenta” e cantou a história de uma cena que o marcou profundamente, quando ainda criança , durante uma viagem de família ao Novo México, deparou-se com vários índios espalhados pela estrada, sangrando, devido a um acidente de caminhão quando eram transportados na carroceria semproteção e também “Soldado Desconhecido”, um clamor pela paz e em defesa da vida dos milhares de jovens que eram jogados no front da guerra. Incorporou em sua obra a estrutura de duração e melódica da música indiana, flamenca, cigana, do blues, jazz e da bossa nova brasileira.

Ler sobre Jim Morrisom nos faz imaginar como o mundo seria melhor se pessoas como ele e tantos outros que possuíam um padrão cultural e humano acima do seu tempo tivessem sobrevivido, a pressão repressiva que o levou a revolta e ao fim muito jovem. Ler sobre Jim Morrison nos faz pensar como o mundo seria melhor se os melhores professores educados na democracia do pós-guerra, não tivessem sido afastados e perseguidos e não tivesse sido implantada uma reforma de ensino tecnificando e desumanizando o saber, conjugada com a imposição de um sistema de mídia que incentiva o consumo de massa a serviço de um modelo econômico concentrador, que nos deixou como estamos.

Mas não podemos esmorecer, afinal ao ler a biografia de Jim Morrison, entrevistas, poemas e letras de musicas, e captar o olhar visionário e terno de um jovem preparado que cantava a música “O Fim”, dizendo: “Este é o fim belo amigo/Este é o fim/Meu único amigo, o fim/Dos nossos elaborados planos, o fim/Tão sem limites e livre/Este é o fim, belo amigo/Este é o fim, meu único amigo, o fim/Dói-te libertar”, nos faz ter o alimento de um espírito que nos diz: lutem por liberdade, pelademocracia, pela paz, por um mundo mais solidário e justo até o fim, para que os meus assassinos não vençam.

Texto de Geraldo Serathiuk, advogado especializado em direito tributário pelo IBEJ
http://jornale.com.br/zebeto/2007/09/28/os-assassinos-de-jim-morrison-continuam-vivos/

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Bem-vindo a este blog. Agradecemos muito a sua visita!

Seguidores

popular posts

Contato

jamesdouglasmorrisonp@gmail.com
Loading...