Livro - Jim Morrison: o poeta-xamã

Livro - Jim Morrison: o poeta-xamã
Clique na foto

O Navio de Cristal

O Navio de Cristal
Clike na foto

O dia em que conheci Jim Morrison

O dia em que conheci Jim Morrison
Clique na Foto

domingo, 13 de fevereiro de 2011

Jim Morrison como reencarnação de Dionísio



O CULTO AO REI LAGARTO

por Delia Morgan
Adaptação: Ana Welt


I. O Deus do Rock:


Jim Morrison - estrela do rock, poeta, profeta, xamã elétrico, e deus encarnado. O vocalista da banda de rock dos anos 60 conhecida como The Doors, Jim Morrison se identificava fortemente com Dionísio.

The Doors foi o primeiro grupo de realmente fazer shows de rock como ritual, como um meio de levar o público numa viagem psico-religiosa. O nome da banda vem da literatura inglesa, do genial poeta William Blake, da citação: "quando as portas da percepção são desveladas, vemos as coisas como elas realmente são – infinitas”. Morrison descreveu sua missão em termos de tentar "Break On Through" para uma maior realidade: "Existem coisas conhecidas e existem coisas desconhecidas, e entre elas estão as portas". E "é ela que eu quero ser", disse o poeta californiano.

Morrison, como um "deus grego de beleza” a sua paixão ardente e escura personalidade misteriosa, tem sido considerado um encarnação de Dionisio. Ele certamente tentou trazer o xamanismo e drama grego à música e levou aos palcos, ele tentou tirar as pessoas de suas complacências, imerso em êxtase e visão libertadora. Desde a sua morte em tenra idade, em 1971, uma seita cresceu em torno dele, muitas pessoas, inclusive eu, sentimos sua presença como força orientadora, construíram altares para ele. Houve até uma primeira igreja dos Doors uma vez.

Morrison foi, além de tudo, um homem brilhante como só ele era, e ousado. Ainda muito jovem, em sua adolescência, ele tinha lido muito sobre xamanismo, antiguidade e mitologia, como "James Frazer, The Golden Bough" (muitos dos quais são sobre Dionisio), ele também foi completamente tomado pela visão apaixonada de Friedrich Nietzsche sobre Dionísio, como está tão bem retratada em "O Nascimento da Tragédia".

Um dos últimos livros que ele estava lendo antes de sua morte foi o volumosos e desafiador Ellen Harrison "Prolegômenos para o Estudo da Religião Grega ", que também é sobre Dionísio. Parece-me que Morrison se deixou possuir completamente por Dioniso, até que o homem e deus estavam irrevogavelmente fundidos; ele carregava a tocha da sua mítica visão dionisíaca por todo o caminho até a sua morte.

Infelizmente, porém, a maioria das pessoas nunca se "atentou" para o que ele estava tentando fazer o tempo todo, que era a religião. Críticos do Rock chamavam-no pretensioso demais, e poucos deles sabiam o suficiente sobre o mito e religião para entender a proposição do poeta. O excelente livro de Ray Manzarek "Light My Fire "fala de uma história pessoal dos Doors, e também sobre Morrison como Dionísio.


Aqui estão apenas algumas citações de músicas de Morrison e poesia, onde o escuro desliza através do dionisíaco místico:


"Eu apelo aos deuses das trevas ocultas de sangue ..."
"Onde está o vinho que foi prometido, o novo vinho ...?"
"Nós poderíamos planejar um assassinato, ou começar uma religião ..."
"Eu prometi que iria me afogar em vinho místico aquecido ..."
"Vamos reinventar os deuses, todos os mitos das idades;
celebrar os símbolos do fundo das florestas antigas ... "
"Eu sou um guia para o labirinto."


II. Perspectivas sobre o mito Morrison:

Alguns autores perspicazes e críticos de música da atualidade têm sabido capturar o elemento dionisíaco na filosofia de Morrison e de suas performances, enquanto outros têm vindo a perceber isso em retrospecto.

(Há outros, ainda, que nunca capturaram, que não conseguem entender o porquê de todo o alarido.)


The Doors - o sentimento espiritual e a conexão com o Paganismo

Durante os anos 1960, bandas cantaram o amor, a paz enquanto que o ácido fazia girar. Mas para os Doors foi diferente. As noites pertenciam ao deus Pan e a Dionísio, os deuses da orgia e do renascimento, e as canções chamando pelas potentes paixões - o pesadelo de Édipo "The End", o galope de fôlego " Not To Touch The Earth ", o doom de "Hyacinth House", o êxtase do "Light My Fire, "The Undertones escuro e desconfortável de" Can't see your face in my mind", e à perda de consciência na sedutora "Crystal Ship". E como Dionísio, Jim Morrison voluntariamente se ofereceu como um sacrifício para ser rasgado, sangrar, morrer, renascer ainda outro vez para a noite em uma outra cidade.

O tema paganismo/Dionísio é ampliado por Danny Sugerman na introdução da famosa biografia de Jim Morrison, intitulado "No One Here Gets Out Alive".


AS PORTAS E OS MITOS

Sugerman por Danny Sugerman

"Embora os favoritos dos deuses morrem jovens, mas também vivem eternamente na companhia dos deuses" - Fredrich Nietzsche, O Nascimento da Tragédia

Uma conto de iniciação aos mistérios da deusa Isis sobrevive em apenas uma passagem, um texto antigo em que se lê:

“Eu me aproximei da fronteira da morte, eu vi o limiar de Perséfone, que percorre todos os elementos e voltei, eu vi na meia-noite o sol, brilhando em luz branca... chegando perto dos deuses superiores e dos mortos e adorando eles na mão”.

Isso tudo aconteceu durante a noite. Com música, dança e performance. O concerto como ritual, como iniciação. O feitiço. Elementos extraordinários foram soltos para que residam no éter por centenas de milhares de anos, dorme dentro de todos nós, exigindo apenas um despertar.

Naturalmente, as drogas psicodélicas, bem como o álcool podem favorecer a desenrolar dos acontecimentos. Um musicólogo grego dá a descrição de uma Báquica iniciação como catarse: "Este é o propósito da iniciação a Baco, que a ansiedade depressiva das pessoas, produzidas por seus estados de vida, ou de algum infortúnio, sejam eliminados através de melodias e danças do ritual".



Existe um estranho fascínio tentador evocados por fragmentos de antigos mistérios pagãos: as trevas e a luz, a agonia e o êxtase, o sacrifício e a bem-aventurança, o vinho e os ouvidos do grão (Fungos alucinógenos). Para os antigos era o suficiente para saber que há portas para uma dimensão secreta que poderia abrir para aqueles que sinceramente procurou. Tais esperanças e necessidades não desapareceram com o tempo. Jim Morrison conhecia isso. Morrison foi a primeira estrela do rock a saber falar das implicações míticas e poderes arquetípicos do rock 'n' roll, sobre as propriedades ritualísticas num concerto de rock. Para isso, a imprensa o chamou de pretensioso:
"Não leve isso tão a sério, Morrison... é apenas rock 'n' roll.


Jim sabia que eles estavam errados, mas não discutiu. Jim sabia que a música é magia, o desempenho é um culto, e ele sabia que o ritmo pode libertá-los. Jim era muito consciente da importância histórica do ritmo e da música no ritual para os shows ser apenas acidental.

Do seu filósofo favorito, Friedrich Nietzsche, Jim obteve consolo e incentivo na exortação para "dizer sim à vida". Eu nunca acreditei que Jim estivesse em uma corrida para a morte como tantos já disseram, e até hoje ainda é difícil julgar a forma que ele escolheu para viver e morrer. Jim escolheu intensidade à longevidade, o dever ser, como disse Nietzsche, "aquele que não nega", que não diz não, que se atreve a criar a si mesmo. Uma citação de seu mestre Nietzsche em que Jim seguramente a encarnou, é:

"Dizer sim a vida mesmo na sua estranheza e nos problemas mais difíceis, a vontade de viver, a alegria sobre a sua própria inesgotabilidade no sacrifício mesmo em seus modos, isto é o que eu chamo de Dionísio, que é o que eu entendo como a ponte para a psicologia do poeta trágico. Não para se livrar do terror e piedade, não para limpar-se de um efeito perigoso ou por sua descarga veemente, mas para ser si mesmo, a alegria eterna de se tornar para além de todo o terror e piedade”.


Foi a sede insaciável de Jim pela vida que o levou para o outro lado, e não qualquer inclinação a morte.

Seguidores

popular posts

Contato

jamesdouglasmorrisonp@gmail.com
Loading...