Livro - Jim Morrison: o poeta-xamã

Livro - Jim Morrison: o poeta-xamã
Clique na foto

O Navio de Cristal

O Navio de Cristal
Clike na foto

O dia em que conheci Jim Morrison

O dia em que conheci Jim Morrison
Clique na Foto

domingo, 4 de maio de 2008

Jim Morrison: culto, inteligente e letrado


Os aplausos foram generalizados e quando os casacos já estavam sendo colocados para rumar para o Pere Lachaise nos juntando à malucada no interminável plantão local, me deu um misto de senso prático com cagaço de pular muro de cemitério e convenci a todos que melhor que isso seria comprar mais e continuar bebendo em sua homenagem. A idéia foi aceita com entusiasmo e eu fiquei com uma ressaca maior e com o arrependimento de não ter prestado esta homenagem a um dos maiores mitos do rock de todos os tempos.

Sempre tive aquele famoso recalque do "tenho que fazer tudo até os 27". Orson Welles acabou Cidadão Kane com 26, Jimi, Janis e Jim Morrison morreram com exatos vinte e sete anos depois de mudar tanta coisa - eu já estava com trinta e nem muro de cemitério francês eu tinha coragem de pular. Uma coisa muito frustrante foi o dia seguinte. Ainda bem que o champagne era "nacional" o que amenizou o sofrimento.

James Douglas Morrison nasceu em 8 de dezembro de 1943. Se a lenda procede tem 57 anos e deve morar em Saquarema disfarçado de pescador, vizinho de Serguei, pois tem gente que afirma que assim como Elvis e ao contrário de Paul McCartney, Morrison não morreu e prova isto com um monte de dados como o fato de ninguém ter visto seu corpo, umas confusões no atestado de óbito e mais uma meia dúzia de teorias da conspiração ideais para animar conversa de sábado chuvoso junto com a teoria da terra oca e a brincadeira do copo.
Independente de tudo isso, possivelmente Jim Morrison foi o maior poeta do rock. Extremamente culto e preparado, mesclava em suas leituras tanto a literatura beat em quase sua totalidade (Kerouac, Ginsberg etc) com clássicos como Plutarco e James Joyce, entremeados de muito Nietzsche, Huxley, Mallarmé e ainda tinha como brincadeira preferida ficar com os olhos vendados em seu quarto com as paredes forradas de estantes abarrotadas, enquanto um amigo escolhia um livro e lia um trecho que invariavelmente era adivinhado.

Fez cinema (foi colega de turma de Francis Ford Coppola) e se preparava para ser uma espécie de Rimbaud beatnik quando conheceu Ray Manzarek e o rock bateu a sua porta. O resto é história exaustivamente contada e mitificada, seja em inúmeros livros ou no filme do alucinado mais careta de todos os tempos: Oliver Stone.

Em meio a discos históricos e definitivos (acho Strange Days uma obra prima) foi queimando todos seus cartuchos no excesso de drogas e intensidade e após o ápice de uma carreira de mais altos do que baixos, resolveu dar uma parada estratégica e cuidar de sua poesia na gravação de American Prayer onde declamava seus belos poemas entremeados por uns climas feitos bela banda. Eu tinha esse bolachão em vinil e ouvia sem parar enquanto lia seus dois livros: The Lords e The New Creatures.

A temporada de Jim Morrison em Paris foi um pé na jaca generalizado, tem um livro de um amigo dele que conviveu na época que diz que o café da manhã era uma garrafa de Chivas e que lá pelo almoço não estava mais falando lé com creuza. Observando esta rotina dá pra imaginar que não dava para durar muito mesmo. A tormenta interior natural dos grandes criadores mais a idolatria do Star sistem levaram embora este poeta genial, que nasceu neste tempo em que a mídia precisa de mártires da intensidade pra oferecer em holocausto aos cordeiros produtivos .




Texto do Engenheiro, poeta e ensaista CLAUDIO VIGO

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Bem-vindo a este blog. Agradecemos muito a sua visita!

Seguidores

popular posts

Contato

jamesdouglasmorrisonp@gmail.com
Loading...